Especialistas explicam 5 pontos sobre UX em app

UX Experiência do usuário

UX é a chave do sucesso de um app.

UX pode ser decisivo para o sucesso de um app.

E você já deve saber disso, não é mesmo?

Mas você sabe como a UX pode promover o sucesso de um app?

Indo além da experiência do usuário.

Para facilitar o seu entendimento sobre essa afirmação, imagine a seguinte cena:

Paulo está de férias na Flórida, nos Estados Unidos.

Ele é um grande amante de belas paisagens naturais.

Então, ele planejou, nas férias dele, percorrer os caminhos entre Key West e Miami.

Para viver uma experiência única, Paulo alugou uma Ferrari.

Mas a Ferrari, além de toda a pompa e um teto solar, tem um painel diferenciado.

Que lhe proporciona uma grande facilidade ao dirigir.

 

UX Experiência de usuário na Ferrari

Painel de uma Ferrari. Personalizado para a melhor experiência do usuário.

O volante da Ferrari é completamente adaptado à forma das mãos de Paulo.

Evitando, assim, possíveis incômodos ao segurar o volante.

Ele também não precisou se preocupar com a chave do carro nas paradas que fez nos paradisíacos pontos turísticos.

Afinal, a partida é dada pressionando apenas um botão vermelho, que fica no lugar da chave em um veículo convencional.

O painel que determina a velocidade apresenta números maiores que a maioria dos veículos.

Isso facilita Paulo a enxergar, com maior rapidez, a quilometragem que ele faz nas estradas da Terra do Tio Sam.

E com esses diferenciais, Paulo teve uma experiência inesquecível ao percorrer o tradicional caminho turístico da Flórida.

A Ferrari proporcionou uma experiência única de viagem para Paulo.

UX Experiência de usuário na Ferrari

Ferrari é sinônimo de UX.

Assim como a Ferrari fez isso por Paulo, a UX pode fazer o mesmo pelos usuários de um app.

Porque UX é importante

Você imagina por que a experiência de Paulo foi única nessa viagem de férias?

Porque o agente de viagens entendeu perfeitamente o desejo de Paulo.

E não seria qualquer carro que proporcionaria as sensações que Paulo deseja vivenciar na Flórida.

Somente a Ferrari poderia proporcionar a Paulo, simultaneamente, liberdade, velocidade e admiração de belezas naturais.

E essa é a mesma premissa da UX quando ele vai além da experiência do usuário.

Antes de proporcionar a experiência do usuário, o agente de viagens entendeu o desejo de Paulo.

E o indicou a ele a melhor solução para que o desejo dele fosse atendido. E a experiência do usuário acontecesse.

Logo, você percebe como UX pode ir além da experiência do usuário em um app?

A autora Whitney Hess sintetiza a execução da UX com os seguintes passos:

  • Definir o problema que precisa ser resolvido (o porquê).
  • Definir para quem esse problema precisa ser resolvido (o quem).
  • Definir o caminho que deve ser percorrido para resolvê-lo.

Antes de projetar a solução para o seu cliente, ou seja, a experiência do usuário, você precisa entender o problema dele.

Definitivamente, não hesite em fazer isso.

Você pode conversar e negociar com o gestor de TI ou com o diretor da empresa, que é sua cliente.

Mas não se esqueça de ir à campo.

Afinal, o campo é onde o app será efetivamente usado.

E é onde você compreenderá a jornada do cliente.

Podendo, assim, apresentar a experiência do usuário materializada através do design.

Como o design deve ser centrado na UX

A experiência do usuário traz um novo sentido para a vida do usuário.

E é também a experiência do usuário que agrega valor.

Mas a UX materializa-se, efetivamente, através do design.

E o design de um app é feito através da UI.

A User Interface, ou interface do usuário, é o espaço onde as interações do usuário acontecem em um app.

UX Experiência do usuário

UI materializa UX aos usuários de apps.

E é fundamental que essas interações aconteçam de maneira intuitiva.

Porque se elas não acontecerem dessa forma, o usuário abandonará o app.

Você sabia que a cada 5 aplicativos instalados em smartphones, 1 acaba sendo esquecido, segundo o Google?

E, em apps corporativos, esse número é ainda maior?

Tudo por culpa da UX e da UI.

Agora, você deve estar se perguntando: como a UI impacta a UX?

Simples! A UI deve ser prática para o usuário.

E só se ela for mais prática, é que haverá a experiência do usuário.

Mas, isso só é possível através de um design alinhado a UI.

Você quer saber como?

Que tal conhecer conhecer 5 pontos da UI que interferem na UX?

Essas superdicas são de Rafael Helm e Marcelo Carneiro, profissionais técnicos da UMov.me, que tem mais de 100 mil usuários.

Eles já trabalharam em diversos projetos de apps. E alcançaram resultados surpreendentes.

Logo, muitos testes já foram feitos por eles.

Então, como consequência, muitos erros de processo já foram eliminados.

E você, ao continuar lendo esse artigo, pode aprender somente os pontos cruciais para garantir UX ao usuário.

Esses pontos cruciais são:

  • Cores;
  • Imagens;
  • Layout;
  • Fluxos de telas;
  • Login.

Então, vamos conhecer cada um deles.

Cores interferem na UX

As cores são excepcionais para garantir a experiência do usuário.

UX Experiência do usuário cores

Cores são elementos fundamentais da UI que interferem no UX.

Com exceção do fundo, que será sempre branco, você deve personalizar as cores do app.

Você deve estar se perguntando: por que o fundo do app precisa ser sempre branco?

Porque o fundo branco garante uma boa experiência do usuário.

O cabeçalho também pode ser configurado com a cor da sua preferência.

Agora, se você está desenvolvendo um aplicativo para um cliente corporativo, preste atenção nas cores da identidade visual dele.

Preferencialmente, adicione esse tom ao cabeçalho. E, se quiser, inclua também a logomarca da empresa.

Imagens ajudam na UX

As imagens tão são fundamentais para a UX.

Afinal, são através delas que o usuário clicará para dar os comandos ao app.

E executar as ações que ele precisa.

Em um app, você tem, basicamente, 2 tipos de imagens.

As imagens estruturais que estão relacionadas às funções do app, que são:

  • Login;
  • Menu principal;
  • Menu lateral;
  • Seções.

E as imagens cadastrais, aquelas relacionadas à empresa ou ao produto e serviço.

Para garantir qualidade às imagens do app, tenha uma resolução mínima de 512 X 512 pixels.

Essa resolução, além de dar qualidade às imagens, também está relacionada ao formato delas.

Elas precisam ser quadradas, em função da disposição que elas ganham no app.

E também devem ter fundo transparentes e não ter bordas.

Porque isso facilita e muito a visualização dessas imagens pelos usuários.

Ainda para garantir a UX, você deve padronizar as imagens em desenhos e fotografias.

Ficou confuso com isso?

É bem simples. Não se preocupe!

Basta não misturar imagens com fotografias.

Nem adotar imagens ou fotografias diferentes umas das outras.

Por exemplo, se você incluir um ilustração de um fusca, você deve ter um padrão para essa ilustração.

Ou seja, todas as imagens do fusca deverão sempre aparecer da mesma forma.

Evite ter 2 ou 3 imagens da ilustração de fusca.

Porque você pode confundir o usuário e comprometer a UX.

Como o layout faz a diferença na UX

Você pode ter diferentes opções de visualização em um app.

Para a tela inicial, você pode escolher entre as seguintes opções:

  • Lista com imagens;
  • Banner com imagem estendida;
  • Cards de 33%;
  • Cards de 50%;
  • Sem imagens.

E como funcionam esses layouts?

A lista com imagens equilibra imagens com informações na medida certa para o usuário.

Já com o banner estendido, você poderá incluir figuras que também contenham textos.

Com o cards de 33%, seu app terá 3 cards na tela, sendo que cada card poderá ter a imagens junto com o texto.

Os cards 50% funcionam com a mesma lógica do cards de 33%, mas cada um ocupa a metade da tela.

E a opção sem imagens são somente listagens com textos.

Escolhendo o fluxo de telas para garantir a UX perfeito

Os fluxos de tela são alternativas para deixar a navegação mais fluída.

Afinal, nossa mente processa quantidades de informações limitadas.

Ou seja, se você incluir muitas informações em uma seção, o usuário pode ficar confuso e abandonar o app.

Mas se você organizar as seções com um menor número de informações e ainda ter a possibilidade de ocultá-las, a navegação ficará fluída.

Então, no fluxo de telas, você pode escolher entre:

  • Exibir mapas e dados;
  • Exibir grupos e subgrupos;
  • Seção padrão.

Qualquer uma dessas opções, fará com que o usuário tenha menos possibilidades para visualizar e clicar nelas.

E isso tornará a navegação mais intuitiva e, automaticamente, mais fluída.

Como o login ajuda na UX

Se você está fazendo um app para um cliente final, você pode ter a opção de login com o Facebook.

É prático, uma vez que o usuário tem os seus dados sincronizados aos do Facebook para acessar o app.

Já para apps corporativos, existe a opção de não fazer login.

Você pode sincronizar dados de acesso internamente, evitando que o usuário tenha o

trabalho de lograr.

Uma facilidade e tanto para garantir uma boa experiência do usuário.

UX também é sinônimo de simplificação

Agora, você já conhece 5 possibilidades de UI que proporcionam UX ao usuário.

Simplificação é sinônimo de sucesso na UX.

Simples é sempre melhor na UX.

Além, é claro, de compreender como a UX pode ir além da experiência do usuário.

Então, que tal aprender mais ainda?

Assista ao webinário Dicas de UX e UI para criar apps matadores.

Nele, Rafael Helm e Marcelo Carneiro continuam revelando formas de melhorar ainda mais a UX na prática, nos apps criados na plataforma uMov.me.