Conversas uMov.me: um projeto no formato de bate-papo em vídeo

Conversas uMov.me
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter

O webinário Conversas uMov.me foi criado para compartilhar conhecimento sobre diferentes temas relacionados à tecnologia. Confira!

Um webinário acessível e com proposta única na uMov.me: o Conversas uMov.me é um projeto que promove bate-papos em diferentes formatos e com temáticas dentro do escopo da tecnologia.

O objetivo do evento é se tornar um espaço mensal para compartilhar conhecimento sobre o ecossistema da tecnologia, trazendo demandas atuais e sempre com temáticas que conectem com o processo da uMov.me.

O formato do webinário é flexível: pode ser uma entrevista, se transformar em um painel, um monólogo sobre determinado assunto ou até em contato ao vivo com o público em um modelo de perguntas e respostas há várias possibilidades nesse evento de geração de valor para clientes, parceiros e colaboradores uMov.me.

Quem lidera o projeto é Daniel Wildt, sócio-fundador da uMov.me. Ele afirma que os conteúdos abordados nos webinários tem caráter atemporal, com uma validade de tempo maior. Assista Wildt explicar detalhes sobre o projeto:

1) O que significa estar em um mundo NoCode?

Nesse primeiro episódio, que aconteceu no dia 18 de fevereiro de 2021, o Conversas recebeu o CEO da uMov.me, Alexandre Trevisan, para bater um papo sobre NoCode, plataforma de desenvolvimento usada nas soluções da uMov.me.

Veja a explicação de Wildt sobre a escolha do tema ideal para a primeira edição do Conversas uMov.me.

 

Veja os destaques dessa edição do Conversas uMov.me:

Lembranças de projetos antigos

Recordando projetos antigos, Wildt e Trevisan lembraram de como era trabalhar em sistemas operacionais diferentes dos atuais (como o Blackberry, por exemplo) e como a troca desses sistemas não permitiam uma entrega de soluções com agilidade.

A inacessibilidade aos projetos por parte de empresas de pequeno e médio porte e o mercado Saas também foram temas abordados por eles.

NoCode x Low Code

Como o grande destaque do webinário, a temática do NoCode foi retratada de diferentes formas.

Trevisan afirma que há uma mudança muito significativa daquilo que o mercado chama de low code para o NoCode. Sobre low code, ele disse o seguinte:

“Quando falamos do low code, temos um caminho que ele está seguindo a partir de uma evolução que veio do código e da linguagem de máquina foi sendo simplificado, criando camadas, estruturas, mas continua mantendo aquela lógica.”

De acordo com Trevisan, a diferença de low code e NoCode recai sobre a lógica humana.

“Entendemos que o NoCode entra em uma linha de disrupção novamente onde a fonte passa a ser a lógica humana, a forma do pensamento humano, que é diferente da lógica de programação.”

E quando Trevisan fala sobre a lógica humana, ele ressalta que é necessário considerar o contexto da pessoa – onde ela está inserida, o tipo de problema que está resolvendo e quais são as características mais comuns daquela realidade, por exemplo.

O poder da plataforma uMov.me

Ao falar sobre a velocidade de mudança dos problemas durante a pandemia causada pelo Covid-19, Trevisan declara que a plataforma uMov.me é uma opção de ferramenta flexível para suprir as necessidades de negócios de diferentes segmentos.

Trevisan afirma que a proposta da plataforma uMov.me é ter “centenas de recursos desenhados por macrocomponentes que resolvem os problemas reais, seja a leitura do código de barras, a digitalização de documento, a questão do rastreamento ou da cerca eletrônica.”

Destaque também para outros benefícios da plataforma uMov.me: por ser capaz de combinar diversas funcionalidades, a solução dá mais autonomia e flexibilidade para quem a utiliza através dos aplicativos que colocam na palma da mão do profissional a possibilidade de resolver problemas de maneira rápida e segura.

“Você ter uma ferramenta que consiga se adaptar e se ajustar é um diferencial competitivo, isso faz com que as empresas tenham resultados muito diferentes de acordo com a capacidade que elas têm de se adaptar.”

Assista abaixo o Conversas uMov.me: o que significa estar em um mundo NoCode na íntegra!

2) Entendendo problemas e modelando soluções

Para a segunda edição do Conversas uMov.me, no dia 23 de março de 2021, Daniel Wildt se reuniu com Rafael Helm (Gerente de Operações da uMov.me) para bater um papo sobre entendimento de problemas e entregas de soluções.

Modelagem de negócios, análise de negócios, conceito de 4w1h que está presente na plataforma uMov.me, bem como a importância de protótipos, entendimento e fatiamento de problemas, organização de entregas como pilotos e continuidade e evolução de negócios foram alguns temas abordados.

Confira os destaques dessa edição do Conversas uMov.me:

Analisando o problema: como ter certeza que as pessoas certas estão envolvidas no processo

O processo de criar uma solução, antes mesmo de pensar na sua estrutura, precisa do envolvimento das pessoas certas para que sua criação seja mais assertiva.

Por isso, em um primeiro momento de contato com o cliente, há necessidade de análise do que realmente aflige seu negócio e funcionários que operam, de fato, a solução.

Helm declara que “quem trabalha com desenvolvimento de software sabe que sempre temos várias formas de resolver um determinado problema” e complementa dizendo que para atingir o sucesso é preciso entender quais dessas várias formas é o ideal para solucionar o problema da empresa.

Ainda sobre o sucesso de um projeto de desenvolvimento de solução, Helm afirma que é necessário atender duas necessidades básicas: “os problemas de negócio que motivaram o CEO da empresa a aprovar a comprar desse projeto, e ao mesmo tempo também resolver os problemas de operação que os usuários têm hoje”.

Analisar o problema também requer o entendimento de que “as duas partes estão sendo representadas nessa tomada de decisão – alguém que conhece, de fato, o dia a dia dos usuários e alguém que conhece as motivações por trás daquela empresa que investiu na solução”, de acordo com Helm.

Modelando a solução: os formatos de pensar no problema

Para a hora de modelar a solução, quanto mais detalhes específicos sobre a jornada de trabalho dos usuários, melhor.

Helm diz que é necessário um overview do negócio como um todo, mas o aprofundamento das informações se torna de extrema importância para criar uma solução condizente com a realidade do usuário.

Dados das principais funções do usuário são bons exemplos, como vínculo empregatício, horário de trabalho, forma de deslocamento (transporte público, carro, moto, caminhão) e etc.

“Entender um pouquinho a mecânica de como esse usuário trabalha, de que forma ele se desloca são detalhes que podem afetar de forma muito drástica o design da nossa solução e até mesmo a prioridade da ordem de entrega das funcionalidades que vamos fazer, entendendo melhor o contexto dessa persona”, declara Helm.

Prototipagem: contexto, dicas de como lidar e a transformação digital

O conceito de prototipagem é transformar uma ideia em realidade.

Para que isso fique mais claro, Helm destaca o formato do mercado de trabalho nas décadas de 80, 90 e inícios dos anos 2000, quando tudo era registrado em papel, e traz o contexto da transformação digital que ocorre atualmente.

“A gente entendeu nos anos 80, 90 e inícios dos anos 2000, quando você entrega uma solução na mão de um usuário, principalmente aplicativo móvel, você não está informatizando apenas algo que era feito sem controle e agora é feito de forma digital, você está transformando aquela operação – que é o que a gente chama de transformação digital.”

Helm entende que os aplicativos da uMov.me não informatizam processos, mas sim os transformam completamente. Segundo ele, “é mais do que informatizar, é revisar o processo, transformar aquele processo e deixar ele mais otimizado usando a tecnologia.”

No caso da uMov.me, pelo fato de ter uma plataforma de desenvolvimento no-code, a agilidade na criação de protótipos é muito mais fácil e rápido, podendo modelar os tipos de tela com base em algum template de referência, por exemplo.

“A prototipação nos ajuda a emergir os erros, muitas vezes se o erro vem no início do projeto, nós temos tempo para resolver. Se já aparece depois de vários dias, às vezes nosso tempo já está quase esgotado, estamos descobrindo problemas e não tem mais como resolver.”

Assista abaixo o Conversas uMov.me: Entendendo problemas e modelando soluções na íntegra!

 

Quer saber quando o próximo evento será realizado? Acesse o site da uMov.me Arena para mais informações!

 

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter

confira mais conteúdos!

vamos conversar?

Preencha os dados abaixo e entenda os benefícios de um aplicativo customizado para seu negócio.

grarfismo_home