Seleção de pessoas: como montar time de alta performance com a cultura da sua empresa

selecao-de-pessoas

Realizar a seleção de pessoas dentro das empresas não é uma tarefa fácil. Escolher de forma assertiva novos colaboradores, que serão fundamentais para o sucesso de qualquer negócio, requer cuidado e muita atenção.

Mas, e se esse recrutamento e seleção de pessoas ocorrerem de um jeito diferente? Se ele for dentro da cultura e do propósito das empresas, com valores e objetivos compartilhados? Seria um jeito bem mais fácil de construir um time de alta performance, não é mesmo?

Esse foi o tema da palestra de Fernando Pante, especialista em gestão de pessoas, na uMov.me Arena, mostrando o quão importante é colocar as pessoas como protagonistas.

Mais do que isso, ele abordou os benefícios a longo prazo tanto para as empresas como para as pessoas em si – pessoal e profissionalmente falando.

“Mas, é importante criar cultura e propósito que condizem com a realidade. As empresas precisam refletir os valores reais que têm para que não fique algo artificial e tampouco falso”, alertou Pante.

“É trabalhoso. É um processo longo até certo ponto, sim. Mas o retorno vale toda a pena. É poderoso”, complementou.

Cultura e propósito: defini-las é garantir o sucesso das empresas

Ter colaboradores que se identifiquem com o local onde passam a maior parte do seus dias, semanas, meses e anos. É isso que as organizações precisam buscar. Até porque, o local de trabalho precisa ser um ambiente que propicie às pessoas e encontrarem a sua razão de ser.

Segundo Pante, é fundamental que a empresa seja um meio para que as pessoas possam encontrar-se, entendendo quem são e o que gostam.

“É preciso dar aos outros a chance de ‘brilhar os olhos’. Deixar as pessoas criarem vínculos e encontrarem o seu propósito. As empresas precisam ser os meios para as pessoas se encontrarem, entenderem quem são, o que gostam e o que querem para suas vidas”, afirmou.

Fazendo isso, ele entende que as empresas constroem, para si, uma imagem imensamente positiva – mesmo que os colaboradores não fiquem por anos e anos no mesmo local.

“É essencial fazer com que as pessoas se sintam bem. Mesmo que ela venha a sair rapidamente, fique somente 3 meses na empresa”, comentou.

“Por que não fazer com que ela fale bem da empresa para os outros? Quem sabe ela não indica um excelente profissional para trabalhar lá?” emendou.

Porém, é vital se o exemplo vier “de cima para baixo”. Isso mostra que os valores e princípios são verdadeiros e podem (e devem!) ser aplicados.

“Até porque, se a gestão não é exemplo, como os colaboradores vão ver sentido naquilo que foi proposto?”, questionou.

“Assim, as pessoas passam a acreditar na empresa, elas vêem algo a mais, que fazia sentido para elas. Podiam receber proposta para ganhar mais em outros lugares, mas nestas empresas que estavam se sentiam fazendo parte de algo”, completou.

Focar somente nos clientes e não nas pessoas que fazem o negócio acontecer. Este é um dos principais problemas de empresas que, embora tenham sucesso comercial, têm grande rotatividade de pessoas dentro das equipes.

Mãos à obra! Como construir a cultura e o propósito da sua empresa

“Definir a cultura empresarial para, assim, reformular o processo seletivo. Mas é preciso fazer isso de verdade. Tirar do quadro bonito pendurado na parede.”

Com esta frase, Pante falou sobre a importância, já na seleção de pessoas, de os valores da empresa estarem bem evidentes.

Mas, para isso, é preciso colocar a mão na massa e, internamente, azeitar esses processos. É preciso dar voz e vez àqueles que, no dia a dia, estão presentes nas empresas.

“O que as pessoas querem? Entenda a história delas para que elas, então, entendam a sua”, indagou.

“Pergunte ao seu time atual. O gestor precisa ser o facilitador do processo e isso, consequentemente, precisa fazer sentido para toda a equipe e estar alinhado com o que elas são”, completou.

Pode haver habilidades, talentos e até mesmo desejos dentro das pessoas. Um pequeno estímulo que seja pode ser decisivo para algo novo.

“Não é porque alguém trabalha há 20 anos com a mesma coisa que não quer ter a oportunidade de fazer algo diferente para a sua empresa”, disse.

“Por isso, coloque as pessoas no centro das ações. Compartilhe algumas decisões, pode começar com as pequenas e veja como as coisas acontecem internamente”, complementou.

Seleção de pessoas, o momento de expor a cultura e os valores do seu negócio

Para acertar na seleção de pessoas para a empresa, é essencial, então, como dissemos, ter cultura, propósito e valores claros.

Para isso, é preciso criar alguns mecanismos.

“No processo de recrutamento e seleção de pessoas, coloque filtros para que você possa identificar quem está mais alinhado com a cultura e o propósito dos seus negócios. Isso é possível criando cenários para tirar os candidatos da zona de conforto, fazendo-os mostrar o que eles verdadeiramente são”, afirmou.

Até porque, a margem para erros é pequena. E não ter colaboradores alinhados prejudica o andamento dos negócios.

“Isso é fundamental, essa assertividade. Afinal, custa caro para uma empresa uma contratação realizada de forma errada”, discorreu, para, na sequência, completar:

“Então, colocar também a sua equipe para entrevistá-lo faz todo o sentido, afinal, eles estão dentro da cultura do negócio e é com eles que os novos colaboradores irão trabalhar”.

6 passos para ser assertivo na seleção de pessoas

“Outro ponto fundamental é inserir as pessoas contratadas dentro da cultura da empresa, antes de colocá-las na parte operacional”, ressaltou Pante.

Para isso ocorrer, 6 etapas – ou itens – devem ser observados.

1 – Guardiões da Cultura – ache pessoas referência dentro do seu time que melhor traduzem o propósito, os valores da empresa – e deixe-o fazer isso do seu próprio jeito;

2 – História da empresa – como ela chegou até onde está? Reduza a distância entre a empresa e o colaborador e compartilhe as dores da caminhada;

3 – Mercado – o que a empresa faz e como ela impacta a vida das pessoas e dos clientes?

4 – Valores e atitudes – quais são e como quem entra na empresa pode agregar a eles? Deixe as pessoas à vontade para, por exemplo, acrescentar novos;

5 – Impacto – quando um novo colaborador chegar, deixe clara a importância que o trabalho dele terá, de como o que ele faz vai impactar e de que maneira isso irá ocorrer. Mostre também o que cada um faz e como o time se conecta através de suas atividades;

6 – Feedback – falar com o colaborar como ele se sente e o que ele percebe da empresa em alinhamento com as suas expectativas profissionais e pessoais.

“O ideal, assim, é que não só o setor de RH fale sobre a cultura e o propósito do negócio. Encontre influenciadores positivos dentro do time e dê à ele este protagonismo na hora de falar com novos colaboradores”, encerrou.

uMov.me Arena: espaço de transformação

A uMov.me Arena é um espaço em Porto Alegre/RS, na sede da uMov.me e tem como missão estimular a troca de conhecimento para a transformação digital com foco na valorização de pessoas.

Ela foi concebida para dispor ao ecossistema empreendedor uma programação atraente que apoie e valorize a diversidade, pluralidade e a conexão das pessoas e ideias.

Para ficar por dentro de tudo o que acontece na uMov.me Arena, acesse o site e confira as novidades!

Para saber mais sobre transformação digital e como ela impacta as empresas, fale com um especialista hoje mesmo.