Mulheres na Tecnologia: a importância, o mercado e as personagens emblemáticas

Mulheres na Tecnologia: a importância, o mercado e as personagens emblemáticas
Mulheres na Tecnologia: a importância, o mercado e as personagens emblemáticas
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter

Quem pensa que o mercado de tecnologia é dominado por homens, certamente não está ciente do histórico de importância das mulheres na tecnologia. Quer entender mais sobre isso? Leia este artigo!

Muito se fala sobre tecnologia nos dias atuais. Geralmente, o que vem na cabeça de muitas pessoas quando se fala sobre isso é a internet, que usamos para trabalhar, nos comunicarmos com família e amigos ou consumir informações sobre o mundo inteiro. No entanto, o trabalho em tecnologia é um mercado muito mais amplo, que abrange computação, programação e ciência.

Erradamente a sociedade vê a indústria da tecnologia com uma carga masculina, mas você sabia que as mulheres são pioneiras no segmento?

Panorama do mercado de trabalho em tecnologia

A revolução industrial vêm desde o século passado, mas neste milênio a tecnologia está evoluindo cada vez mais rápido. E isso impacta também no mercado de trabalho em tecnologia.

Quem já não ouviu falar em empregos que correm risco de extinção nos próximos anos? Os operadores de telemarketing serão substituídos por robôs, os caixas de banco não existirão por causa das transações digitais e até os caixas de auto-atendimento em supermercados já estão em vigor em alguns países, realocando atendentes para outras funções.

Por isso, ao longo dos anos os trabalhadores adicionaram novas competências para se destacar profissionalmente: habilidades com tecnologia.

De acordo com a Confederação Nacional da Indústria (CNI), o Brasil precisará qualificar 10,5 milhões de trabalhadores na indústria até 2023. O destaque é para novos empregos, que têm as maiores taxas de crescimento, com ocupações que têm a tecnologia como base. 

Além dos condutores de processos robotizados, estão pesquisadores de engenharia e tecnologia (aumento de 17,9%); engenheiros de controle e automação, engenheiros mecatrônicos e afins (14,2%); diretores de serviços de informática (13,8%); e operadores de máquinas de usinagem CNC (13,6%).

E agora você se pergunta: qual o papel da mulher nesse cenário tecnológico? A resposta está abaixo.

O real papel das mulheres na tecnologia

Mesmo em um ambiente culturalmente masculino, a tecnologia sempre teve espaço para as mulheres e atualmente está crescendo cada vez mais. A prova disso é a lista da BBC de 100 mulheres que estão liderando mudanças e fazendo a diferença nesses tempos conturbados de pandemia de coronavírus, crise econômica, avanço da fome e mudanças climáticas.

Algumas delas se utilizaram de algum tipo de tecnologia para que seu projeto desse certo, como é o caso de Macinley Butson, cientista e inventora da Austrália. 

Ela inventou dispositivos que tentam melhorar a radioterapia para pacientes com câncer de mama e o fornecimento de água potável em comunidades mais pobres. 

Outro caso é da executiva Karen Dolva. A norueguesa criou dois produtos: AV1, um avatar de telepresença que visa combater a solidão de crianças e jovens afetados por doenças de longa duração, e KOMP, um dispositivo de comunicação de um botão projetado especificamente para idosos.

O crescimento de mulheres na tecnologia também é comprovado no Brasil. Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, nos últimos cinco anos, a participação feminina na tecnologia cresceu 60%, passando de 27,9 mil mulheres para 44,5 mil em 2019. No entanto, elas representam apenas 20% dos profissionais do mercado de tecnologia no Brasil.

A timidez das mulheres na tecnologia tem explicação: estereótipos de gênero no segmento. De acordo com Katherine Coffman, professora da Universidade de Harvard, as mulheres na tecnologia não têm confiança em sua capacidade de competir em áreas nos quais se acredita que os homens têm um desempenho mais forte, como ciência, matemática e tecnologia.

Ainda na mesma pesquisa, Katherine afirma que mesmo as mulheres na tecnologia com talento têm mais probabilidade do que os homens de ignorar os elogios e rebaixar suas próprias habilidades.

Você conhece alguma dessas mulheres na tecnologia?

Felizmente, essa falta de confiança nas próprias competências não foi identificada em várias mulheres que trabalharam com tecnologia no passado. Olha o quanto as mulheres já contribuíram para a tecnologia:

Ada Lovelace

Uma das pioneiras em ciências da computação, a Condessa de Lovelace é considerada a primeira programadora da história. No século XIX, Ada foi responsável por classificar o algoritmo contido na máquina analítica, o primeiro modelo de computador do mundo. 

No entanto, na época não existia o maquinário necessário para colocar seus estudos à prova – mais de 100 anos após a sua morte, as anotações da Condessa foram republicadas e comprovadas que o seu algoritmo estava correto.

“As garotas do ENIAC”

O grupo de seis mulheres foram batizadas de “garotas do ENIAC” por serem as primeiras a trabalhar com supercomputadores e ainda foram as responsáveis pela sua configuração.

Betty Snyder, Marlyn Wescoff, Fran Bilas, Kay McNulty, Ruth Lichterman e Adele Goldstine operavam manualmente mais de três mil interruptores e botões que ligavam um hardware de 80 toneladas no maquinário, além de criar protocolos utilizados até hoje.

Grace Hopper

Pioneirismo deveria ser seu sobrenome. Grace foi a primeira mulher a se formar na Universidade de Yale com um PhD em matemática, a primeira almirante da marinha dos EUA e uma das criadoras do COBOL, uma linguagem de programação para bancos de dados comerciais.

Além disso, Grace ainda criou linguagens de programação para o UNIVAC, um dos primeiros computadores comerciais fabricados nos Estados Unidos.

As mulheres na tecnologia da uMov.me

Sendo uma empresa que cria aplicativos B2B por meio de uma plataforma no-code, a uMov.me tem o prazer de trabalhar e aprender com as mulheres que lidam diretamente com a tecnologia na empresa que, atualmente, são 38% do quadro de funcionários. Conversamos com algumas delas e abaixo você lê sobre suas experiências no segmento.

Juliana Brando é formada em Processos Gerenciais e está na uMov.me desde o início de 2020. Já a Gerente de Contas Cristiane de Brito faz parte do time da uMov.me desde 2017, enquanto Giulia Baretta é responsável por ações de relacionamento com a carteira através das áreas de negócio da uMov.me.

As três trabalham com tecnologia há alguns anos e destacam alguns pontos importantes sobre mulheres na tecnologia.

Cristiane relembra o desafio de ser mulher no segmento de tecnologia. “Lá atrás, em 2010 quando iniciei, era uma realidade bem mais inóspita para as mulheres do que é hoje! Ainda bem que isso mudou. Cada dia mais vemos mulheres em atividades não só administrativas/comerciais, como também em áreas técnicas. E isso é ótimo, pois cada vez mais estamos ocupando nosso lugar na economia e sociedade.

Sobre ser mulher em um ramo tão masculinizado, Juliana destaca sua experiência: “olha… é desafiador. Já passei por várias situações: desrespeito, abuso, preconceito, mas eu sempre soube lidar com isso muito bem, e evolui, cresci e hoje eu não me abalo mais.

Giulia pontua a importância de uma cultura colaborativa ao trabalhar com tecnologia. Ela explica que “todas as minhas experiências com engenharia e tecnologia foram muito ricas. Sempre me vi rodeada de pessoas muito inteligentes e dedicadas a fazer um bom trabalho. Apesar de, em geral, termos mais homens que mulheres nas equipes de engenharia, sempre vi amigas muito realizadas e respeitadas pelo grande valor que geram. Outra característica marcante nos times em que trabalhei é o senso de colaboração, com colegas sempre dispostos a compartilhar o que sabem!

Para mulheres que querem ingressar na área de tecnologia, Juliana tem uma dica valiosa. Ela aconselha a não desistir dos objetivos. “A gente pode tudo, somos iguais, independente da raça, sexo, gênero. Se é isso que quer vai à luta, levanta a cabeça, pois tropeços sempre vão vir, as dificuldades são diárias, mas a gente pode e consegue”, diz ela.

O trabalho de mulheres na tecnologia chegou em Hollywood

Isso mesmo! O filme Estrelas Além do Tempo (Hidden Figures, em inglês) foi indicado a 3 categorias do Oscar em 2017 e mostrou a inteligência de mulheres no ramo da tecnologia já vem de anos!

A trama conta a história de Katherine Johnson, Dorothy Vaughan e Mary Jackson: três cientistas negras que trabalharam na NASA durante a década de 1960 e colaboraram para a conquista espacial.

mulheres na tecnologia

Fonte: Site Valkirias

Considerações sobre as mulheres na tecnologia

Acredito que este artigo pôde, de alguma forma, mostrar a importância e poder das mulheres na tecnologia. Não há dúvidas que mulheres são tão capazes e brilhantes quanto homens nesse ramo e o quanto ainda podem contribuir para uma sociedade mais ágil, responsável e consciente.

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter

Agende uma Demonstração Gratuita

Preencha os dados abaixo e confira como será o aplicativo da sua empresa.

dashboard-gerencial-app-umovme