Antifragilidade: Qual é o seu limite? – Daniel Wildt

26Daniel Wildt: Antifragilidade

Daniel Wildt palestrou sobre antifragilidade – limite individual e autoconhecimento, no dia 14 de setembro. A primeira pergunta feita por ela foi: “Qual é o seu limite?” e na sequência, “O quão fácil é pra você dizer não?”. O encontro foi exclusivo à equipe da uMov.me.

Daniel explica o “não” é uma ferramenta que é pouco utilizada de acordo com o que deveria. Não se fala um “não” a menos que o assunto venha a ferir os interesses de alguém. Para o palestrante, existe uma preocupação latente sobre o que os outros iriam pensar se o “não” for dito. Isso impede que se busque agir da forma que se deve.

Wildt retoma o tema com relação aos limites que deveriam ser estabelecidos através do ato de dizer “não”. Daniel abordou ainda o conceito de antifragilidade, a busca por saber seus limites e compartilha-los e estoicismo, que se baseia em saber que o que acontece é somente o que acontece, ou seja, o momento é como deve ser e não como se quer, ou se imagina.

 

A importância do autoconhecimento e controle pessoal na tomada de decisões:

O estoicismo é uma filosofia que preza o autoconhecimento humano na busca por encontrar felicidade e, para Wildt, a partir dessa filosofia é possível ver que obter o controle das ações as quais se recorre é entender que somente acontece aquilo que é permitido acontecer, aquilo ao que se escolhe.

Wildt ressalta a importância de se conhecer para não acabar seguindo por pensamentos alheios e não próprios. O controle pessoal vem com o saber de que as opiniões do outro devem ser respeitadas e que ninguém deve impor algo a ninguém.

Saber que as coisas podem dar errado é significativo para compreender que não se controla o incontrolável, o não presumível. Controlam-se escolhas e pessoas com antifragilidade conseguem compreender isto. Ao entender que erros ocorrem é maior a chance de entendimento de que ser duro consigo mesmo não fará sempre que tudo seja perfeito.

Aprender a expor as fragilidades e limites que possui também são técnicas de autocontrole, ser vulnerável na medida, é aprender a ter tempo otimizado através de reflexões divididas e energia sendo colocada em locais onde realmente se necessita.

 

Usando o conceito de Braving para se tornar alguém mais produtivo e autocentrado:

Wildt trouxe consigo dicas que creem ser importantes, os conceitos são parte de um livro de Brené Brown. O conceito de Braving (traduzido como: corajoso) foi explicado e exemplificado pelo mesmo em 6 etapas:

1 – “B”: tem a significação de Boundaries, na tradução seriam os Limites que se deve colocar, as regras que se deve estabelecer para a convivência, para a própria vida.

2 – “R”: significa Reliability, ou seja, Confiabilidade. Confiar em si, dizer não, validar seu ponto.

3 – “A”: vem de Accountability, a tradução é algo como sobre ser responsável por algo. Resolver as pendências, dar um jeito, decidir sobre o que se é responsável e por quais problemas se vai interceder e realizar uma ação.

4 – O “V”: De Vault, é traduzido como cofre, mas é uma definição para aprender a focar no que é seu, não nos valores de outra pessoa. Seja você, foque em si e não no que outras pessoas querem.

5 – O “I”: Vem de Integrity, ou seja, Integridade, no que se deve ser consistente, íntegro.

6 – O “N”: Non-judgment, não julgue, não crie julgamentos sobre histórias, opiniões e crenças de outro. Seja empático com a fala alheia, com todos.

7 – O “G”: representa Generosity, traduzido por Generosidade, seja generoso com o outro, mas principalmente seja grato. Faça uma lista pelas coisas pelas quais é grato.

Os conceitos de Brené Brown foram exemplificados e relacionados a antifragilidade como estratégias de melhorias pessoais e corporativas.

 

Antifragilidade e sua importância:

Com os conceitos que Wildt trouxe sobre o estoicismo e braving podem ser aplicados na rotina de empresas dos mais diversos segmentos. Um conceito, também debatido, que auxilia as empresas a serem ágeis é de antifragilidade.

Ser Antifrágil, tanto corporativamente, como, pessoalmente, é buscar resistir aos impactos do dia a dia e melhorar com eles. Ser antifrágil é se tornar produtivo, é otimizar processos por saber que imprevistos acontecem e que o importante é contornar os mesmos.

Dos conceitos apresentados por Wildt este é o que representa o fechamento, a união de todos. Precisa-se obter a antifragilidade, a auto aceitação dos limites para assim se tornar alguém melhor.

 

Para acessar as fotos do evento, clique aqui.