uMov.me apoia almoço debate LIDE com juiz Sergio Moro

A uMov.me apoia os Almoços-Debate Lide, que são realizados mensalmente e reúnem importantes empresários e autoridades públicas para discutir temas de relevância nacional sobre o desenvolvimento econômico, ética e gestão. Em setembro o evento contou com a presença do juiz Sergio Moro.

Cerca de 580 empresários e consultores participaram do almoço, no hotel Grand Hyatt em São Paulo e aplaudiram de pé o juiz ao final de sua palestra, devido a sua clareza e humildade demonstrados durante a sua participação.

Sergio Moro fala sobre operação Lava Jato em Almoço-Debate LIDE.

“Não costumo enfiar minha cabeça num buraco e a história não reserva lugar para covardes”, declarou Moro e abriu o evento dizendo que tem recebido muitos convites para falar, mas que achou interessante comparecer aquele evento pois queria se comunicar com o empresariado.

“Preciso que essa ação seja conjunta, e que todos apoiem,” disse ele sobre a Lava Jato. Em seguida, contou a história do Libero Grassi, um empresário italiano assassinado em 1991 depois de denunciar e tentar resistir à extorsão da Máfia siciliana. (Grassi escreveu uma carta aberta aos jornais de Palermo dizendo à Máfia que não estava mais disposto a pagar o ‘pizzo’ — ‘dinheiro de proteção’, no jargão da Sicília. No entanto, outros empresários de Palermo não lhe deram apoio, e Grassi foi morto a tiros na rua perto de sua casa oito meses depois de escrever a carta.)

Moro disse que a iniciativa privada acaba cedendo à tentação de pagar propina para obter facilidades. “A corrupção é um problema que sempre vai existir, mas a questão é o nível de corrupção,” disse ele, acrescentando que há diversos indícios de que, no caso investigado pela Lava Jato, a corrupção ‘entrou num nível sistêmico’.

Frequentemente, a celebração de um contrato público é seguida de pagamento a algum funcionário público ou político. Trata-se de um hábito já enraizado, disse Moro, citando casos investigados na Lava Jato.

“O que mais me incomoda é a percepção de naturalização da propina,” disse Moro. “Às vezes há uma certa dificuldade de se obter uma resposta sobre o motivo do pagamento.” Segundo ele, em muitos casos os investigados apenas respondiam: “Era a regra do jogo.”

“Não houve uma extorsão, e sim uma naturalização do pagamento de propina,” disse o juiz. Moro também falou sobre a Operação Mãos Limpas, a investigação épica contra a máfia italiana na qual a Lava Jato inspira seus procedimentos, e disse que 40% dos indiciados na Itália tiveram o crime prescrito pela lentidão da Justiça.
Disse que a Lava Jato só terá um impacto se tiver continuidade na sociedade e no meio politico. “Do contrário, cairá no esquecimento,” disse. “A inciativa privada tem um papel importante de dizer não à propina.”Alguém perguntou: “O senhor está preparado para ir até o fim?” Moro respondeu que vai “seguir em frente”.

Aplicativo uMov.me viabiliza coleta de dados durante o almoço-debate.

O aplicativo criado na plataforma uMov.me, seguindo metodologia da FGV, coleta dados como a eficiência do governo, crescimento das empresas, empregabilidade, cenário econômico, entre outras. Após a coleta dos dados, que é feita tablets Samsung / MGI, parceira uMov.me, em alguns minutos são gerados os resultados e apresentados ao público dando seguimento ao debate.

Fonte: Geraldo Samor, Veja (link indisponível desde jan/2017)

Tags: